blog

quem, eu?

categoria: panquequices

Superado o luto pelo Oliver, aproveitamos um longo período de liberdade doméstica. Ninguém nos esperava em casa, nenhum bichinho dependia de nós para ter companhia, comer, brincar e passear. Foram meses de esbórnia. Viajamos, emendamos um programa no outro desde cedo até tarde da noite, a bagunceira do casal largava ainda mais coisas espalhadas pela casa toda. Até que um dia, refeitas da dor e cansadas da farra, bateu o desejo de ter novamente um pet. Uma vez cachorreiras, sempre cachorreiras!

A chegada da Panqueca foi o fim de um longo e divertido processo, que vamos apresentar em detalhes no livro novo. Agora, nos restringimos a contar um só episódio.

Era uma vez uma Cocker filhote que tinha uma caminha colorida e cheia de mimos caninos. Um dia, percebendo que estava sozinha em casa, decidiu explorar o ambiente. Cômodo após cômodo, ela viu muita coisa bonita e interessante, mas inacessível a seu pequeno tamanho. Até que, em um lugar todo branco, de piso frio, encontrou o brinquedo perfeito. Estava ao alcance, era macio, perfumado, saboroso e, o melhor de tudo, saía do lugar! A exploradora peluda não teve dúvidas: abocanhou o novo amigo e o levou para conhecer a casa toda, terminando a excursão na própria cama. Certa de que não havia razão para bronca, recebeu as donas de volta com o olhar mais doce e inocente do mundo. Ah, as delícias de ter um cãozinho.

comentários

Quem eu? da para imaginar a "doçura da arte" e da carinha rss!!!!A Panqueca é mto linda!!

Enviada por: Célia

na linha de produção onde os cães são feitos tem uma etapa que ensina justamente isso, você não sabia?

Enviada por: litros

hauhauhauahuahuahuaha Meu cachorro fazia isso!!!!

Enviada por: SM

deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Books