ziguezagueando pelo islã

O Islã é a religião que mais cresce no mundo”, afirmam, orgulhosos, os muçulmanos. “O Islã é a religião que mais cresce no mundo”, exclamam, assustados, os que nela só enxergam violência.

Uma ex-freira que se converteu e um muçulmano que dá passe em centro espírita; um rapaz que quer permanecer virgem até o casamento e outro que engravidou uma católica; uma cristã que mora na Arábia Saudita e uma adolescente que vai de véu ao parque de diversões são apenas alguns dos entrevistados brasileiros que nos contam como é ser muçulmano em São Paulo.

Estatísticas, normas teológicas e bom humor se mesclam neste livro-reportagem em que a história da religião e a vida dos entrevistados são contadas em narrativa delicada e instigante.

Grátis!

baixar em PDF

conheça a opinião de quem já leu

O horário político tem me feito um enorme favor: retomar o maravilhoso hábito da leitura!!! E obrigada prima Paula por esse presente fantástico: "Ziguezagueando pelo Islã", da Karla Lima! Estou amando! Inshallah venham muitos horários políticos pela frente! ehehehehe

Enviada por: Claudia A Chaves

Hoje iniciei a leitura do Ziguezagueando pelo Islã. Acho muito "gostoso" a forma como você escreve, talvez seja uma seriedade paulistana mesclada a toques sutis de humor. Não, ainda não encontrei palavras para explicar esse meu achar, não tenho a sensibilidade linguística para adjetivar etc, quem sabe até o final dessa leitura de mais uma obra sua eu consiga, ou não, enfim vou aproveitar a viagem... Desejo a você, a sua esposa, aos familiares e amigos de vocês um final de ano maravilhoso e um novo ano de realizações, mágico. Abraço, Helenita.

Enviada por: Helenita Oliveira

Escolhi "Ziguezagueando pelo Islã" pelo título curioso e por terem me dito que a autora vestiu uma burca para escreve-lo! O tema me é familiar, mas foi uma surpresa como ele foi tratado. O livro é uma delícia! Leve na narrativa, conciso nos dados, abrangente nas entrevistas. Outra qualidade do livro é o humor refinado dos comentários que tanto me fizeram rir alto. O bom escritor enlaça o leitor com sua narrativa, mas Karla vai além. Em um piscar de olhos transporta a nós leitores para seu universo, e por experiência própria, parecia que a acompanhava pessoalmente nos encontros com Kamar, com Hadil, com as adolescentes. Até a ajudei com o véu... Karla Lima possui o talento inato e raro de escrever com primor. Quando o livro termina, fica a sensação que ele foi escrito exclusivamente para a pessoa que o leu. Parabéns, Karla! Paula

Enviada por: Paula Borroso

Nina, você não é incapaz de escrever uma resenha decente, você põe seus sentimentos em cada linha e isso, para mim, tem mais valor do que o cumprimento de pretensas normas críticas. O fato de você ter rido com o ZZI não apenas não me ofende como me lisonjeia, uma vez que o humor foi intencional. Fico contentíssima que tenha se divertido e aprendido - são duas entre as melhores reações que torço para provocar no leitor.

Enviada por: litros

Por ser um ser humano muito confuso, vou tentar escrever por tópicos, sei que fica muito distante e meio frio, mas é a única maneira que encontrei para ter o mínimo de organização, já que sou incapaz de construir uma resenha decente, como você merecia. ZZI tem uma coisa que eu gosto, e como é o segundo livro seu que leio acho que é uma característica sua. É de fácil interação e rouba minha atenção logo na primeira pagina. Isso é perfeito, por que qualquer pessoa que pegar o livro pra ler não terá dificuldades. Achei incrível isso de você ter "sentido na pele" isso de ser muçulmana. Confesso que sempre quando vejo uma, fico pensando um milhão de coisas, só que é com a minha cabeça, com o meu lado. Sei que São Paulo tem muito de tudo, mas eu não imaginava tanto, e foi uma forma também de saber um pouco mais sobre minha cidade mãe. Eu não sei se te ofendo, mas muitas vezes me peguei rindo, por que a forma que você escreve me traz um prazer que é o do riso, não sei bem explicar. Se mais pessoas escrevessem com essa sua linguagem sobre tantas coisas, o mundo seria menos preconceituoso certamente. Não tinha dúvidas, por que nem pensava sobre o assunto, só quando via alguém na rua coberto (o que é raro). Mas acho muito bom o esclarecimento de dúvidas que eu poderia ter algum dia. Mas uma vez, obrigada!

Enviada por: Nina Adlin

Oi, K., tudo bem? Sabe que ultimamente andei "ziguezagueando pelo Islã"? Tô em fase de monografia e resolvi tratar da questão do véu na mídia (Folha de São Paulo e Veja). Entre as milhares de referências bibliográficas incluí o seu - fantástico - livro. Adorei tudo: achei completo, esclarecedor, informativo, divertido. Enfim, o máximo! rs Parabéns e obrigada por ajudar a descortinar o universo islâmico. Beijos

Enviada por: Carol Conti

deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

conheça também: minha vida de brinquedo

Books